Discurso de abertura das 3ª Jornadas Parlamentares Proferido Pela Camarada Luísa Damião, Vice-Presidente do MPLA

PortalMPLA,28 JUNHO 19( 6ªFEIRA)- "CAMARADA ERNESTO MUANGALA, 1º SECRETÁRIO PROVINCIAL DO MPLA NA LUNDA NORTE;

CAMARADA AMÉRICO ANTÓNIO CUONONOCA, PRESIDENTE DO GRUPO PARLAMENTAR DO MPLA;

ILUSTRES DEPUTADAS E DEPUTADOS;

MINHAS SENHORAS E MEUS SENHORES;

CAROS CONVIDADOS

Acedemos com imensa satisfação e espírito patriótico, o amável convite do Grupo Parlamentar do nosso glorioso MPLA, para proferirmos a intervenção de abertura das Terceiras Jornadas Parlamentares, em nome do Camarada João Manuel Gonçalves Lourenço, Presidente do MPLA, o que muito nos honra.

Uma saudação muito especial a hospitaleira população da Lunda Norte, as respeitáveis autoridades religiosas e tradicionais e aos distintos convidados que participam nesta sessão de abertura das Jornadas Parlamentares do MPLA que se realizam na cidade do Dundo, sob o lema “Angola, para um Desenvolvimento Sustentável, rumo as Autarquias Locais”.

Saúdo, igualmente de forma cordial, os nossos categorizados prelectores e moderadores, por terem aceite o convite, formulado pela organização das Jornadas Parlamentares. A vossa presença tornará certamente mais produtivo este magno evento, que se realiza num momento político importante para o nosso país.

A escolha da Província da Lunda Norte para albergar esta iniciativa é uma prova evidente, do reconhecimento da Direcção Central do nosso Partido, aos nossos militantes, simpatizantes e amigos que sempre depositaram a sua confiança no MPLA, sendo certo, que esta parcela do nosso vasto território foi uma das regiões do País, que desde muito cedo se identificou com a causa da libertação do Povo angolano, tornando-se numa das praças tradicionais do MPLA.

CAMARADAS DEPUTADAS E DEPUTADOS;

Iniciamos as Terceiras Jornadas Parlamentares, mais fortalecidos, mais coesos, mais esclarecidos e com a estratégia necessária para vencermos os novos desafios, fruto da realização do VIIº Congresso Extraordinário que visou a afirmação da liderança do Presidente do MPLA, o alargamento do Comité Central, com a eleição de 134 novos membros, bem como uma abordagem sobre os novos desafios com ênfase para as Autarquias Locais.

O MPLA como força política liderante do país, sempre olhou para o processo de efectivação do poder autárquico como um ideal de administração próximo das populações e um governo local, capaz de satisfazer as necessidades colectivas, com vista a melhoria das condições de vida através de três vectores fundamentais: segurança, justiça e bem-estar social.

O lema que preside as III Jornadas Parlamentares do MPLA desta 4ª Legislatura, traduz a vontade do MPLA em continuar a aprimorar o nível de conhecimento dos seus Deputados sobre esta novidade que serão as autarquias locais.

O conteúdo temático destas Jornadas é bastante pertinente, para a produção de novas ideias e recomendações indispensáveis, para uma melhor participação activa e qualitativa na discussão e aprovação da legislação autárquica em sede da Assembleia Nacional como um dos imperativos para efectiva institucionalização do poder autárquico no País.

Auguramos todos que elas sejam de facto efectivas e possam contribuir para uma maior democratização, uma governação mais próxima dos cidadãos, se registe o exercício de uma cidadania plena, na tomada de decisões na governação, e na melhoria do bem-estar dos cidadãos.

ILUSTRES DEPUTADOS E CONVIDADOS,

Saudamos o facto de se ter associado ao lema das IIIª Jornadas Parlamentares, para além das autarquias, “O desenvolvimento sustentável” que vai certamente despertar a nossa atenção para termos sempre presente a imperiosa necessidade de procurarmos satisfazer as gerações actuais, sem no entanto, comprometermos a capacidade das futuras gerações.

Devemos continuar a trabalhar para que as pessoas, agora e no futuro, atinjam um nível satisfatório de desenvolvimento social e económico e de realização humana e cultural. É importante elevarmos a consciência do uso racional dos recursos naturais, bem como a preservação das espécies e os habitats naturais.

As autarquias e o Desenvolvimento sustentável são dois temas que fazem parte da nossa agenda e que de forma inteligente foram muito bem chamados a colação num momento oportuno nestas IIIª jornadas Parlamentares.

Devemos por isso, encarar o desafio das autarquias com firmeza e determinação e com os níveis de organização e mobilização que nos caracterizam.

Temos uma liderança forte, temos um partido coeso, temos um Grupo Parlamentar forte, pelo que, estamos à altura de vencer as eleições autárquicas na maioria das câmaras. Mas para tal, devemos estar prontos para a batalha e a realização destas Jornadas, demonstram a preocupação do MPLA com o grande momento que se avizinha.

Como afirmou o Camarada Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço, na Sessão de Abertura do VII Congresso Extraordinário do MPLA, e passamos a citar “ Vencemos as eleições gerais tendo como lema principal a necessidade de “melhorar o que está bem, corrigir o que está mal. Palavras muito nobres, bonitas no papel mas em certa medida difíceis, mas não impossíveis de as tornar realidade” (fim de citação).

Com estas palavras fica a esperança de que tudo depende da nossa força, dedicação, resiliência e perseverança para tornarmos possível aquilo que à partida parece ou é difícil, mas não impossível.

CAMARADAS DEPUTADAS E DEPUTADOS

É grande a expectativa, em relação as eleições autárquicas. Por tal facto, estamos conscientes dos desafios que elas encerram. Devemos aproveitar a nossa capacidade de saber fazer, em todos os momentos e que fazem do MPLA um partido cada vez mais comprometido com os anseios e aspirações do nosso povo.

Para o MPLA, o processo para a implementação autárquica é uma tarefa que exige dedicação e trabalho abnegado, para o qual, somos convocados, a tudo fazer no interesse do nosso povo.

Para o desafio autárquico que se impõe, o MPLA será bastante rigoroso na selecção dos seus candidatos.

Devemos apostar em candidatos com elevada idoneidade social e moral, com um capital político notável, dotados de competências técnico-profissionais, eleitos através de primárias internas, sem excluir os candidatos independentes que reúnam igualmente, o perfil exigido e capazes de interpretar os anseios das populações.

Nos dias que correm, a política é também saber fazer opções seja ao nível da coesão social, da economia ou da cultura, tendo sempre presente o rigor e transparência, na concretização das opções estruturantes.

Temos todos a responsabilidade de continuar a transformar o País, num lugar mais atractivo para o investimento, num lugar aberto a novos horizontes, conjugando ao mesmo nível e ao mesmo tempo, tradição com modernidade, usos e costumes com audácia e inovação, querendo sempre mais e melhor para Angola que todos nós sonhamos.

ILUSTRES DEPUTADAS E DEPUTADOS

Devemos também prestar especial atenção, entre outras questões, ao “resgate dos valores”, a moralização da sociedade, contando com a participação de todas as forças vivas da Nação, contribuindo para a construção de uma sociedade verdadeiramente democrática e cada vez mais justa e mais humana.

É bom realçar, que no processo de implementação das autarquias locais, o MPLA defende que o papel dos partidos políticos e coligações de partidos políticos concorrentes não deve resumir-se apenas na mera apresentação de candidaturas ou dos seus programas, mas também na elevação da consciência política, cívica e social dos eleitores, pugnando pela observância da lei e pelo respeito pela diferença.

CAROS DEPUTADOS E CONVIDADOS;

Aplaudimos o lançamento do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios também conhecido como (PIIM), que vem romper com um paradigma no desenho dos planos.

Este inovador programa privilegiou a vontade dos municípios, adicionou os anseios dos munícipes, assegurando assim o sentimento de pertença e uma participação activa e qualitativa dos seus destinatários na tomada de decisão.

O somatório de tudo isso conduziu a um caminho: Responder aos anseios e aspirações dos munícipes e dar mais voz e vida aos municípios. As acções e projectos constantes no PIIM terão um impacto significativo na vida dos munícipes e um modelo de gestão que se pretende mais participativo, eficaz e eficiente com o engajamento dos actores locais em todo o processo.

Espera-se no entanto, que os gestores do PIIM, primem pela probidade, transparência e responsabilidade para que se alcancem os objectivos do referido Plano. A questão da responsabilização de todos seus intervenientes foi bem assinalada por Sua Excelência João Manuel Gonçalves Lourenço, Presidente da República de Angola por ocasião da cerimónia de lançamento do PIIM.

Desde logo, apelamos as estruturas do MPLA, aos munícipes e, em particular aos ilustres deputados como dignos e legítimos representantes do povo, para que façam o devido acompanhamento.

Neste sentido os responsáveis do PIIM devem estar disponíveis para prestarem contas aos munícipes, nos espaços de concertação a nível local e a proporcionarem informações actualizadas aos meios de comunicação social no cumprimento de um preceito constitucional do direito de informar e ser informado.

Auguro que os temas agendados para estas Jornadas Parlamentares sejam de facto abordados numa perspectiva prática, para a discussão e compreensão das acções em curso, tendo em conta o alcance das metas e objectivos do PDN 2018/2022.

Desejo que os trabalhos destas jornadas parlamentares, produzam pertinentes recomendações que possam contribuir para o enriquecimento das nossas acções, estratégias e dos desafios do presente e do futuro.

Aproveito esta soberana ocasião para a partir desta tribuna e na província da Lunda Norte lançar um vibrante apelo a toda a sociedade civil no sentido de continuarem a reforçar a onda de solidariedade com as populações afectadas pela seca no sul de Angola.

Com estas palavras declaro abertas as Terceiras Jornadas Parlamentares do MPLA.

Obrigado pela Vossa especial atenção."

/www.mpla.ao

Veja todas as notícias