AGOSTINHO NETO: “Ainda não vencemos a dependência de Portugal”

Fundador da Nação Angolana disse, há 40 anos, que “não é preciso ir a Portugal, para comer maçãs”.

 

Luanda, 27 FEVEREIRO 17 (2ª FEIRA) – “Há muitos dos nossos compatriotas que estão sempre a sonhar com umas feriazinhas em Portugal. Querem ir passar férias. E quando não têm direito a férias, querem ir comprar isto ou aquilo. Querem, de qualquer maneira, estar ligados a Portugal. Este é um defeito que nos deixou o colonialismo.

Culturalmente, ainda não vencemos a dependência de Portugal e da Europa, em geral. Ainda estamos a pensar à maneira portuguesa. E é preciso que nós comecemos a pensar à maneira angolana.

Para passar férias, isso digo principalmente aos camaradas que são funcionários públicos, temos boas terras no Huambo, na Huíla, em Moçâmedes, em Malanje.

Temos, no nosso país, um clima admirável, um clima planáltico, que permite o repouso, permite o tratamento e, embora ainda não estejamos, do ponto de vista da assistência médica, bem apetrechados, pode-se garantir o descanso de quem fez um ano de trabalho. Vamos, portanto, utilizar o nosso território.

E em Moçâmedes também há uvas, também há azeitonas, também há maçãs (ovação). Não é preciso ir a Portugal para comer maçãs.

Aqui, em Angola, temos de tudo”.

PortalMPLA/JA/AB

Veja todas as notícias