ANO NOVO 2019: Discurso da vice-presidente do MPLA, cda. Luísa Damião

“DEVEMOS REFORÇAR A NOSSA RELAÇÃO COM A SOCIEDADE CIVIL” – 09.01.19.

PortalMPLA, 09 JANEIRO 19 (4ª FEIRA) – “É com elevada honra que, em nome do Presidente do MPLA, Camarada João Manuel Gonçalves Lourenço, que aqui represento, que saúdo, com renovado optimismo, a todos os presentes, a quem endereçamos votos de um feliz ano novo, pleno de prosperidade, extensivo às vossas dignas famílias.

É sempre com um sentimento de alegria e esperança que damos as boas-vindas ao novo ano, a que se juntam as energias renovadas para, com coragem e determinação, enfrentarmos os desafios do presente e do futuro.

Espero que tenhamos todos tido uma feliz quadra festiva, em companhia das nossas famílias e quero aproveitar esta soberana ocasião para agradecer a todos camaradas que endereçaram cartões e mensagens de boas-festas, durante esta quadra festiva.

Uma saudação especial aos camaradas Roberto de Almeida, Lopo do Nascimento, Dino Matrosse e Paulo Kassoma, antigo vice-presidente e secretários-gerais do MPLA, respectivamente, que nos honram com a sua presença, nesta singela cerimónia.

Este acto, que é tradicional no Partido, permite redobrar a aproximação e empatia entre os dirigentes, quadros, responsáveis e funcionários do Partido, dependências e das organizações sociais e associadas.

Caros camaradas,

O ano de 2018 foi marcado por uma série de actividades políticas, com destaque para a eleição do Camarada João Manuel Gonçalves Lourenço, aos cargos de Presidente da República e do MPLA, na sequência das Eleições Gerais e do 6.º Congresso Extraordinário do MPLA, bem como dos novos órgãos e organismos de direcção do Partido, dando, assim, início a uma caminhada segura na concretização do lema “MELHORAR O QUE ESTÁ BEM, CORRIGIR O QUE ESTÁ MAL”, visando a busca de soluções para os problemas do povo angolano.

O ano que terminou foi, igualmente, marcado pela celebração do 43.º aniversário da proclamação da independência nacional e pelo 62.º aniversário da fundação do MPLA, efemérides que tiveram lugar num contexto particularmente difícil, devido à situação económica e financeira que o País atravessa.

Gostaríamos de destacar a firmeza dos nossos militantes e a convicção de todos aqueles que acreditam num futuro melhor para o nosso País e prestam o seu contributo para colocarmos Angola na senda do desenvolvimento e da prosperidade.

Caros camaradas,

No âmbito da vida interna, o Partido realizou visitas de auscultação às estruturas intermédias e de base, nas províncias de Luanda e de Cabinda, procedeu à reformulação dos grupos de acompanhamento do Partido a todos os níveis e realizou seis conferências provinciais extraordinárias, para eleger novos primeiros-secretários do Partido.

No âmbito das orientações do Presidente do Partido, foi possível introduzir ajustamentos aos salários e está em curso, a nível da estrutura central do Partido, a melhoria das condições sociais e de trabalho dos funcionários, com vista a imprimir uma nova dinâmica funcional, administrativa e comportamental, tendo em conta os novos desafios que se avizinham, por um lado e a elevação do estado anímico e motivacional dos trabalhadores.

O Comité Central, na sua 6ª Sessão Ordinária, aprovou um conjunto de documentos reitores, visando a preparação do Partido para as Eleições Autárquicas, instrumentos que todos devemos dominar, pois, só deste modo estaremos a contribuir para a vitória do MPLA e, por essa via, concretizarmos o desiderato do Camarada Presidente, ao referir que “o Partido deve ser aquilo que os nossos eleitores e a sociedade esperam de nós, um Partido aberto ao diálogo, mas, sobretudo, um Partido que, pela sua prática quotidiana, pelo exemplo dos seus militantes e dirigentes seja uma referência moral para os angolanos”.

O Partido apoiou as principais acções protagonizadas pelo Executivo, quer no domínio da vida económica quer social, com destaque para aquelas relacionadas com o combate à corrupção, ao resgate dos valores morais, cívicos e culturais.

Caros camaradas,

O ano de 2019 está repleto de desafios para os quais todos devemos estar preparados. Um ano onde devemos aumentar o rigor, a disciplina, a eficiência e eficácia, para podermos cumprir cabalmente as tarefas programadas.

O reforço do papel dirigente do MPLA para apoiar o líder do Partido e o Executivo, no grande desafio de melhorar o que está bem, corrigir o que está mal deve constituir uma tarefa prioritária.

Todo este trabalho conjugado terá como pedra de toque a defesa dos ideais do MPLA e do seu líder, o Camarada Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço e a consolidação e reforço da imagem e prestígio do MPLA, junto do povo angolano.

As Eleições Autárquicas, previstas para 2020, afiguram-se, para o MPLA, como um desafio político incomensurável, que vai exigir de todos nós empenho, dedicação resiliência e perspicácia.

Neste sentido, exorto aos militantes, simpatizantes e amigos do MPLA a participarem activamente em todo o processo da institucionalização das autarquias locais.

Para este ano, para além do Plano Anual de Actividades e de Eventos, o MPLA procederá ao lançamento da sua Agenda Política, como tem sido habitual.

Trata-se de um instrumento que contém as principais iniciativas e que será apreciado e aprovado pelo Bureau Político, nos próximos dias. Nesses dois documentos, encontraremos as tarefas fundamentais a serem cumpridas pelas estruturas do Partido, a todos os níveis.

O Partido deverá continuar a apoiar o Executivo, na criação de condições para que o País dê um salto em relação ao aumento da oferta de bens e serviços e à geração de empregos.

De igual modo, devemos reforçar a nossa relação com a sociedade civil, estreitando-a cada vez mais de modo a consolidar o processo de construção de uma sociedade cada vez mais democrática, justa e inclusiva.

Devemos prestar particular atenção à realização das assembleias de balanço e renovação de mandatos dos comités de acção, das conferências comunais, de distritos urbanos, de militantes e das conferências municipais do MPLA, que serão realizadas este ano.

Para a concretização dessas acções, apelo a toda família MPLA a cerrar fileiras em torno das ideias estratégicas do Camarada Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço e manter a união e coesão no seio do Partido, com vista à materialização do Programa de Governo do MPLA, sufragado nas Eleições Gerais de 2017.

Temos que continuar a trabalhar para moralizar a nossa sociedade, com bons exemplos, comportamentos e atitudes, engajando, para o efeito, todos os actores sociais e afirmando cada vez mais a nossa cidadania.

Devemos continuar a apoiar as linhas mestras do combate contra a corrupção, o nepotismo e a impunidade que o Estado angolano leva a cabo, para eliminar todos os fenómenos que prejudicam o seu desenvolvimento e minam a aceitação nacional e internacional das suas instituições, democraticamente constituídas.

Caros camaradas,

A OMA deve reforçar o trabalho de uma maior inserção na sociedade, tornando-se numa organização cada vez mais forte e dinâmica e a interpretar fielmente os anseios e aspirações das mulheres angolanas.

Como guardiã e defensora dos nobres direitos da mulher angolana, deve continuar a fazer advocacia em prol da igualdade do género e do empoderamento da mulher, prestar atenção à mulher rural e incentivar as mulheres a assumirem maior protagonismo na vida política, económica, social e cultural, destacando-se a sua participação activa nas Eleições Autárquicas.

Deve, também, continuar a prestar o seu contributo na moralização da sociedade, no combate ao analfabetismo, na promoção da formação político-ideológica e profissional das mulheres, na educação para a saúde da mulher nas comunidades, na educação das famílias, no combate a violência doméstica, no fortalecimento da sua cultura jurídica e desenvolver acções que contribuam para a inclusão digital e incentivar o uso correcto das tecnologias de informação e comunicação.

O trabalho de apoio à jovem-mulher, sobretudo a rural, deverá estar, também, na agenda política da OMA.

A JMPLA deve prestar especial atenção na preparação do seu 8.º Congresso Ordinário, tendo sempre presente a estratégia de transição geracional que se vai operar na organização juvenil, à luz da Carta Africana da Juventude, que define 35 anos como idade limite para a juventude.

Deve continuar a liderar a mobilização patriótica dos jovens, para a sua participação nas Eleições Autárquicas e na campanha de moralização da sociedade e na formação de bons cidadãos.

Deve apostar na educação político-patriótica, moral, cívica e cultural, na cultura da integridade e probidade no seio da juventude e na formação académica e técnico-profissional.

O Partido deve, de igual modo, por via do Grupo Parlamentar, apoiar a implementação do programa legislativo da Assembleia Nacional, especialmente o relacionado com o Pacote Legislativo Autárquico.

O estudo dos discursos do Camarada Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço deve constituir o principal instrumento de orientação política para os militantes do MPLA e das suas organizações sociais e associadas.

A história vem demonstrando que o nosso Partido é um partido vencedor. Cabe-nos a todos a grande responsabilidade de continuar nesta senda vitoriosa.

Devemos, por isso, preparar-nos bem, para termos um bom resultado nas Eleições Autárquicas e continuarmos a responder aos anseios, aspirações e expectativas dos angolanos.

Aos funcionários do Partido, solicito uma maior atenção, disciplina e dedicação às tarefas que lhes são acometidas, de modo a honrar o nome e o prestígio do nosso glorioso MPLA.

Reitero os votos de um próspero ano novo, na certeza de que consigamos atingir este ano os nossos objectivos.

VIVA O MPLA!

VIVA O CAMARADA PRESIDENTE JOÃO MANUEL GONÇALVES LOURENÇO!

MPLA – MELHORAR O QUE ESTÁ BEM, CORRIGIR O QUE ESTÁ MAL

A LUTA CONTINUA

A VITÓRIA É CERTA.

/www.mpla.ao

/Foto: DG

Veja todas as notícias