Bié: Ex-militantes revelam propósitos da UNITA de destruir bens públicos

Em defesa da paz, da reconciliação nacional e da democracia em Angola, mil e 387 cidadãos do município do Andulo, centro do país, abandonaram-na e juntaram-se, terça-feira (28), ao MPLA. Na foto, cerimónia recente de ingresso massivo de antigos dirigentes e militantes da UNITA no MPLA.

 

Andulo, 30 ABRIL 15 (5ª FEIRA) - Mil e 387 ex-militantes da UNITA revelaram, terça-feira (28), no município do Andulo, que a Direcção deste partido orientava-os a destruírem todos os bens públicos da província e do país.

Esses cidadãos desvendaram o segredo, no momento em que anunciavam a sua saída da UNITA e juntavam-se ao MPLA, o Partido do Governo em Angola, durante um acto de massas, realizado nesse município, que dista 130 quilómetros a nordeste da cidade do Kuito, a capital da província do Bié.

Pelo que disseram, as escolas, os pontos de água e os postos de saúde, segundo orientação dos dirigentes da UNITA, são os bens que devem ser destruídos, essencialmente, a par da realização de acções que perigam a paz, a reconciliação nacional e a democracia.

 

Boas-vindas, coragem e determinação

 

Ao dar as boas-vindas aos novos militantes, o primeiro-secretário do Comité Provincial do Partido, camarada Boavida Neto, felicitou-os pela sua coragem e determinação, ao denunciarem tais intentos macabros e pelo facto de escolherem o caminho certo, juntando-se ao MPLA, o Partido angolano que, pela sua natureza e características, está ligado ao povo e trabalha para a resolução dos seus problemas.

Na altura, aquele dirigente orientou os Comités Municipais do Partido a fazerem o devido acompanhamento aos novos militantes, que são oriundos da vila do Andulo e das comunas de Calussinga, de Cassumbi e do Chivaulo.

PortalMPLA/AB

Foto: Angop/Arquivo

 

Veja todas as notícias