MPLA absorve experiência chinesa de combate à corrupção

Comitiva de dirigentes, responsáveis e quadros do Partido concluiu acção formativa de 10 dias, junto do Partido Comunista da China.

PortalMPLA, 14 SETEMBRO 19 (SÁBADO) - As reformas operadas na governação da China, no combate contra a corrupção e pela erradicação da pobreza foi um dos temas abordados na acção de formação e de troca de experiências que uma equipa de dirigentes, responsáveis e quadros do MPLA efectuou a esse país asiático, de um a 10 de Setembro corrente.

A abertura da sessão de estudo sobre “as medidas e experiências da República Popular da China no combate à corrupção” teve como oradora a vice-directora da Comissão de Supervisão Disciplinar do Partido Comunista da China, Wang Hui, que defendeu a disciplina rigorosa, a educação ideológica e teórica como garantia para a actuação em uníssono de todo o Partido, no combate à corrupção, como um aspecto de maior importância.

Wang Hui apontou que a Comissão Central de Inspecção Disciplinar (CCDI) do Partido Comunista da China puniu, desde 2012, dois milhões e 347 corruptos, dos quais 500 mil eram quadros dos níveis mais altos da sua hierarquia e que, a partir de 2014, as autoridades apreenderam bens de muito alto valor, resultados alcançados através do repatriamento dos fugitivos e pela cooperação diplomática na captura dos corruptos.

Essa actuação ocorreu após a realização do 18.º Congresso do PCC, em que foi eleito o Presidente Xi Jinping, que supervisiona uma campanha de grande impacto público contra a corrupção.

Durante os encontros, foram analisados os benefícios das políticas chinesas para a redução da pobreza, com a implementação de programas de apoio a cooperativas agrícolas, à ampliação da cobertura dos serviços médicos e à educação gratuita.

A delegação do MPLA, que integrou militantes de várias províncias do País, foi chefiada pela camarada Maricel Capama, membro do Bureau Político do Partido.

/www.mpla.ao

/HT/AB

Veja todas as notícias