Vice-Presidente do MPLA defende legitimidade da “operação Transparência”

CREATOR: gd-jpeg v1.0 (using IJG JPEG v62), default qualityPortalMPLA, 2 NOVEMBRO 18 (6ª FEIRA) – A vice-presidente do MPLA, camarada Luísa Damião, defendeu recentemente, em Luanda, a legitimidade da “operação transparência” que está a ser levada a cabo pelas autoridades angolanas, em algumas províncias do país.

Falando em entrevista, a Televisão Pública de Angola, a camarada Luísa Damião justificou a realização desta operação, referindo-se que “quando está em causa a soberania económica, a soberania do Estado angolano, nós temos que agir”.

Segundo a dirigente “a operação tem toda a legitimidade”, tendo referido que o “Estado angolano não pode permitir que as suas províncias, os seus recursos estejam a ser usados por cidadãos estrangeiros e não tomar medidas”.

Entrevistada pela jornalista, Fernanda Manuel, a Vice-presidente do maior Partido de Angola, sublinhou que “nenhum estado que se preze aceita uma invasão silenciosa no seu país, nenhum estado que se preze aceita que imigrantes ilegais venham delapidar os seus recursos”.

A Operação Transparência, a decorrer em sete das dezoito províncias do país, contribui para a salvaguarda da economia e soberania nacional e prossegue, em cumprimento das medidas soberanamente tomadas pelo Executivo angolano.

A apreensão de vários meios e fecho de casas de comercialização dos diamantes permite desencorajar o fenómeno do garimpo, que envolve, maioritariamente, estrangeiros em situação illegal.

Entretanto, 231 casas de comercialização e 90 cooperativas de exploração diamantífera foram encerradas desde então e apreendidos 17 mil quilates de diamantes, mais de um milhão de dólares, 59 armas de fogo, entre outros meios de suporte ao trafico e imigração ilegal.

/CF

Veja todas as notícias