OPINIÃO: Capacidade inata de exercer diplomacia - Eduardo de Sousa

“O Presidente José Eduardo dos Santos, o líder em exercício da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos, é o nome certo para este momento” – 15.06.16.

Luanda, 15 JUNHO 16 (4ª FEIRA) - Ao ser reconduzido à liderança da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos (CIRGL), para um segundo mandato consecutivo, de um ano e sete meses, o Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos, ascende a mais um importante degrau na sua bem-sucedida carreira político-diplomática.
O reconhecimento do seu nome, prestígio e magistratura de influência na resolução de conflitos no continente, como um líder capaz de trabalhar para a paz, estabilidade, previsibilidade e desenvolvimento económico e social nas regiões austral e dos grandes lagos, para além de ser o reflexo daquilo que ele concretizou em Angola, serve como um sinal promissor para todo órgão regional, que é a CIRGL.
No rescaldo destes dois anos de mandato, o estadista angolano colocou em marcha a sua capacidade inata, que possui, de exercer a diplomacia, fazer pontes entre todos os sectores da região e afirmou contar, naturalmente, com o apoio dos seus homólogos, com vista a dar continuidade ao bom trabalho que foi realizado, por sinal bastante valorizado pelos parceiros, pelos excelentes resultados já adquiridos, numa demonstração inequívoca de humildade e de reconhecimento do trabalho em parceria.
Criada após os conflitos que assolaram a região dos Grandes Lagos, em 1994, a CIRGL não poderia estar em melhores mãos, num momento em que a mesma necessidade de um esforço concertado, com vista à promoção da paz, à resolução pacífica de diferendos e ao do desenvolvimento, estão evidentes nos dias actuais. A mais, quando alguns dos países membros não conseguem a paz definitiva nos seus territórios.
O Presidente José Eduardo dos Santos, o líder em exercício da Conferência Internacional sobre a Região dos Grandes Lagos, é o nome certo para este momento. Angola é um exemplo paradigmático e de sucesso desta capacidade.
Será através da paz efectiva e da parceria permanente entre os seus representantes máximos que a região dos Grandes Lagos africanos poderá justificar a expectativa que foi tema da sua 6ª Cimeira Ordinária, realizada, terça-feira (14), em Luanda.
A longa carreira de excelente serviço à Pátria angolana do Presidente José Eduardo dos Santos, que largamente definiu a Angola que temos hoje e nestes últimos dois anos é um estrito dever de justiça, independentemente dos juízos que toda a vivência política suscita, dirigir uma palavra de gratidão e de encorajamento, pelo seu empenho na defesa do interesse nacional e do continente, com indesmentível dedicação ao bem-comum.
Estamos perante um líder mobilizador, para as tarefas e os desafios que esperam, tanto políticos como todos os cidadãos dos países que integram a CIRGL.
PortalMPLA/ES/AB