Um político imbatível

*

Luanda, 11/09 – “Muito há para dizer sobre as Eleições Gerais, da composição de coligações negativas às estratégias eleitorais erradas, do conteúdo agressivo das campanhas à omissão da política externa, até ao envolvimento de jornalistas na actividade política activa.

Mas, hoje escrevo sobre o perfil do político que foi eleito, mais uma vez, por voto popular, Presidente da República de Angola.

José Eduardo dos Santos anda na política activa desde os seus tempos de estudante liceal. A sua causa foi sempre a mesma: Angola e os angolanos. A liberdade e as condições concretas que a sustentam. A dignidade e a honra, enquanto marcos que limitam a vida humana.

Numa sociedade segregada, onde todos eram vigiados em permanência, ele rejeitou a submissão e juntou-se aos que lutavam pela libertação da Pátria. Não era fácil atravessar todo o norte de Angola, até à fronteira com os Congos. José Eduardo dos Santos conseguiu. Essa foi a sua primeira grande vitória política. Embora jovem, já era um quadro. Na Angola daquele tempo, quem tinha o Curso Geral dos Liceus estava em condições de assumir cargos de responsabilidade na Administração Pública ou na iniciativa privada.

A Direcção do MPLA viu nele um futuro dirigente e apostou na sua formação académica. Estudou e tornou-se um técnico qualificado. Foi até onde poucos tinham ido. Subiu até à alta direcção do movimento revolucionário, que lutava, de armas na mão, contra a dominação estrangeira. José Eduardo dos Santos foi escolhido, pelos seus pares, para coordenar a Frente Norte, que, em Abril de 1974, era a única que tinha forças de combate no terreno.

Há alguns anos, publiquei, neste jornal, uma foto onde o responsável máximo da Frente Norte estava com os comandantes Pedalé, Jika e Eurico Gonçalves, nas bases avançadas de Cabinda. Foi sob a sua direcção esclarecida que os combatentes do MPLA puseram fim à aventura de Themudo Barata, então governador do distrito de Cabinda, com a FLEC.

Nessa altura, revelou-se a sua faceta de diplomata. Conseguiu um acordo com o Movimento das Forças Armadas (MFA), para a defesa conjunta do território e, também, para um governo partilhado. José Eduardo dos Santos foi o arquitecto desse acordo, que transformou a província de Cabinda na rectaguarda segura do movimento, numa altura em que Nixon, Mobutu e Spínola decidiram afastar o MPLA do poder, numa Angola independente.

José Eduardo dos Santos foi escolhido para Presidente da República. Era ainda jovem. É verdade. Mas era já um dos mais experientes políticos angolanos. E tinha, no seu currículo, grandes vitórias políticas. Uma das mais importantes foi, com certeza, ser um dos dirigentes mais próximos de Agostinho Neto, que, nos momentos decisivos daquela época, o teve sempre a seu lado.

O Presidente José Eduardo dos Santos, até 2002, foi mais um chefe militar do que um político. Os governos eram formados tendo em conta a guerra.

Os ministros eram escolhidos em função da sua capacidade para enfrentar a situação de guerra. A economia era de guerra. A sociedade foi-se moldando e construindo em função das condições impostas pela guerra.
O Presidente da República, nesses anos dolorosos, era, acima de tudo, um líder militar, que, muitas vezes, esteve com os seus soldados nas frentes de combate e com os aliados regionais. A política era feita nos campos de batalha e os dias dos angolanos ensombrados pela dor e o luto.

Foi este homem forjado pela guerra que teve a coragem de assinar o Acordo de Bicesse. Foi este político experimentado, este chefe militar coberto de glória por ter vencido as mais duras batalhas, que aceitou o desafio da democracia multipartidária, depois de uma longa guerra de agressão contra o seu povo.

Ao aceitar eleições para o ano de 1992, assumiu o maior risco da sua carreira política. Depois de quase duas décadas de sacrifícios e de penúria, os angolanos iam às urnas escolher o partido que havia de governar o país e o seu Presidente.

José Eduardo dos Santos mostrou, em 1992, que no quadro nacional é um político imbatível. O Partido que liderou desde 1979 ganhou as eleições com maioria absoluta, apesar de uma boa parte de Angola ter votado sob coacção dos homens armados de Jonas Savimbi.

E ele passou os 49 por cento, batendo estrondosamente o seu adversário directo que, sabedor de uma derrota humilhante, regressou à guerra, com alguns que agora se reclamam democratas.

O político imbatível voltou a comandar as suas forças, agora para defender a democracia. Esse caminho doloroso só terminou em 2002. Então, José Eduardo dos Santos pôde, finalmente, mostrar os seus dotes de líder político imbatível.

Na sua imensa generosidade ainda quis dar uma oportunidade aos derrotados, prolongando o Governo de Unidade e Reconciliação Nacional. Mas eles pensaram que tinha chegado a sua hora e exigiram eleições.

Pela primeira vez na sua longa carreira política, José Eduardo dos Santos foi a eleições num clima de liberdade e estabilidade política e social. Venceu os adversários com mais de 81 por cento dos votos.

O político excepcional mostrou, então, a sua imensa capacidade de decisão e previsão. Dotou o novo regime de uma Constituição que promove e
favorece a estabilidade política. Neste novo quadro, foi, de novo, a votos. Conquistou mais de 71 por cento dos votos. Uma maioria qualificada que premeia um grande político, mas, também, um extraordinário chefe militar.

Quando a CNE proclamou os resultados definitivos das eleições, ficou provado, sem qualquer dúvida, que José Eduardo dos Santos é um político imbatível. Os seus adversários, que se enredam em ‘contagens paralelas’ deviam perceber isto, até para se valorizarem.

Bater-se e perder eleições com um político da envergadura do líder do MPLA é uma honra”.

José Ribeiro, jornalista.
Artigo publicado (09/09/12) no Jornal de Angola