“A prioridade total e absoluta é melhorar a condição de vida dos angolanos”

DISCURSO DO CAMARADA JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, NA ABERTURA DA 5ª SESSÃO ORDINÁRIA DO COMITÉ CENTRAL DO MPLA - LUANDA, 13/06/12

“Caros camaradas!

Nos termos da Constituição da República, o mandato dos membros do Parlamento e do Executivo termina no próximo dia 30 de Setembro.
Diz ainda a Constituição que a eleição, para a escolha dos deputados da nova Legislatura e do Presidente da República e Chefe do Executivo, deve ter lugar no mínimo 30 dias antes do fim daquele mandato.
Assim, as Eleições Gerais devem ser realizadas, o mais tardar, no dia 31 de Agosto e já foram convocadas, para esta data, pelo Presidente da República.
Durante vários meses do ano passado, o nosso Partido participou activamente no processo de registo e actualização dos eleitores e conhecemos hoje qual o número de cidadãos que vai votar e quais e quantos são os que são membros do MPLA e das organizações sociais.
Agora, a Comissão Nacional Eleitoral, que é um órgão independente, deve preparar os Cadernos Eleitorais, onde estarão os nomes dos que vão votar e indicar os locais onde estarão situadas as assembleias e as cerca de 12 mil Mesas de Voto.
Deve, também, distribuir nesses locais os referidos Cadernos Eleitorais, de acordo com as localidades ou bairros escolhidos pelos eleitores, para exercerem o seu direito de voto.
A Comissão Nacional Eleitoral vai cuidar, igualmente, da confecção dos boletins de voto e das urnas para arrecadação dos votos, assim como de todas as questões referentes à logística eleitoral.
O Governo já manifestou a sua disponibilidade para apoiá-la neste domínio e no da segurança e para agilizar a alocação das verbas, previstas no Orçamento Geral do Estado para o processo eleitoral.
Neste contexto, estamos aqui para continuar a preparação do nosso Partido, com vista à sua participação, com êxito, no acto eleitoral do próximo dia 31 de Agosto.
Assim, é chegado o momento da Direcção do Partido assegurar a formação dos delegados de lista e dos cabos eleitorais e organizá-los, para realizarem a sua missão.
Por outro lado, os comités municipais e os comités de Acção devem exortar os militantes, amigos e simpatizantes a guardarem bem os seus cartões de eleitor e começar a tomar as providências para garantir a presença de todos no acto eleitoral, estudando a melhor forma de os organizar e encaminhar, facilitando a transportação dos que não têm meios.
Hoje, vamos apreciar e aprovar, nesta sessão, a lista de candidatos à deputado e o cabeça dessa lista ou candidato a Presidente da República e titular do Poder Executivo, lista cuja elaboração resulta do trabalho realizado pelos órgãos executivos dos comités Provinciais do Partido, das nossas organizações sociais e do Grupo Parlamentar do MPLA e dos órgãos executivos centrais do Partido, MPLA.
Esta lista tem de ser entregue ao Tribunal Constitucional antes do dia 19 de Junho do corrente ano, acompanhada de todos os elementos estabelecidos na lei e nas directrizes deste tribunal.
Estamos aqui, igualmente, para apreciar as novas propostas que vamos apresentar à sociedade angolana, para continuar a consolidar a paz e a democracia e a promover o desenvolvimento económico e social e bem-estar de todos os angolanos.
Ao efectuarmos o diagnóstico da situação em 2008, constatámos que era preciso imprimir uma nova dinâmica à governação do país, alterar a Constituição da República, melhorar a gestão da coisa pública e afirmar o princípio de maior rigor e transparência na organização e gestão das finanças públicas e da melhor repartição do rendimento nacional, tendo no centro das nossas atenções a promoção do cidadão angolano e a melhoria progressiva da sua qualidade de vida.
Decidimos, assim, adoptar como lema a ‘Mudança’ ou ‘Mudar para Melhor’.
Foi nesse quadro que apresentámos o nosso Programa de Governo e fizemos as várias promessas ao eleitorado.
O balanço que efectuámos na penúltima reunião do Comité Central e no Congresso Extraordinário do Partido, sobre o cumprimento das orientações fundamentais, dos objectivos e das metas fixadas é positivo, como aliás atestam as nossas realizações e os empreendimentos que temos inaugurado quase todas as semanas.
O país está, de facto, a mudar para melhor e há avanços e crescimento em todos os domínios. Mas, fazer Angola crescer cada vez mais é o que o MPLA quer. Noutros termos, o MPLA pretende que o nosso desenvolvimento social seja tão dinâmico, como tem sido o nosso crescimento económico.
Temos consciência de que muito ainda está por se fazer, mas já está a surgir uma nova Angola, capaz de satisfazer os legítimos anseios de todos os angolanos.
Esta nova Angola está pronta a iniciar uma nova etapa da sua história, na qual todos os nossos esforços estarão voltados para os mais desfavorecidos, aqueles que mais sofrem, porque têm pouco ou quase nada.
Os nossos esforços também incidirão, de modo especial, sobre a resolução dos problemas das crianças, dos jovens e das mulheres, que têm necessidades específicas, que requerem uma atenção mais cuidada.
Chegou a hora de garantir uma vida mais digna a todos aqueles que necessitam de apoio, atenção e solidariedade.
Angola é um dos países com maior crescimento económico em todo o Mundo.
Chegou, portanto, a hora de CRESCER MAIS E DISTRIBUIR MELHOR, a hora de sermos uma Angola forte e justa e de sermos, cada vez mais, livres e felizes.
Se, numa primeira fase, a prioridade foi reerguer o país ao nível das suas estruturas, agora, a prioridade total e absoluta é melhorar a condição de vida dos angolanos.
Por essa razão, o futuro projecto de sociedade do nosso Partido vai basear-se num Programa de Estabilidade, Crescimento e Emprego. Através dele, vamos unir, ampliar e acelerar as iniciativas destinadas a garantir mais empregos, aumentar a oferta de água e energia, a melhorar os serviços de educação e saúde, a estimular a produção nas zonas rurais e a incentivar a criação e o fortalecimento das micro, pequenas e médias empresas angolanas.
Com trabalho, coragem e determinação, posso garantir que vamos enfrentar e vencer mais este desafio.

Caros camaradas!

Hoje apreciaremos o Manifesto Eleitoral e a proposta de Programa de Governação que o MPLA apresentará ao eleitorado, o qual define os pressupostos, as orientações fundamentais, os objectivos e as metas gerais, com a intenção de se obter a confiança do povo angolano, para continuar a governar o país e, então, a aplicar o Programa de Estabilidade, Crescimento e Emprego.
Não estamos a afastar-nos da Estratégia de Longo Prazo 2025, antes pelo contrário.
Passo a passo, vamos no rumo certo para a realização dos grandes desígnios nacionais traçados, isto é:
1. Garantir a unidade e coesão nacional, promovendo a paz e a angolanidade;
2. Promover o desenvolvimento humano e o bem-estar, erradicando a fome, a pobreza e a doença e elevando o nível educacional e sanitário da população;
3. Promover um desenvolvimento sustentável, assegurando a utilização eficaz dos recursos naturais e uma justa repartição do rendimento nacional;
4. Garantir um ritmo elevado de desenvolvimento económico, com estabilidade macroeconómica e diversidade estrutural;
5. Desenvolver, de forma harmoniosa, o território nacional, estimulando a competitividade dos territórios e promovendo as regiões mais desfavorecidas;
6. Construir uma sociedade democrática e participativa, garantindo as liberdades e direitos fundamentais e o desenvolvimento da sociedade civil;
7. Promover a inserção competitiva do país na economia mundial, garantindo uma posição de destaque na África subsahariana.
Esta visão tem de ser ajustada à nova Visão Estratégica para o horizonte 2050, como recomendou a SADC.
Interpretamos essa visão como sendo a capacidade de conhecer bem o Mundo actual e de prever a sua evolução, em particular da nossa região e de, nesse contexto, projectar a evolução e defesa dos nossos interesses, por forma a sermos um actor relevante.
É um exercício a ser feito por especialistas de várias áreas do saber, que requer investigação científica, talento e conhecimento, para imaginar o futuro com pouca margem de erro.
Deste modo, deverão ser reajustados os desígnios nacionais, as orientações fundamentais e os eixos de desenvolvimento económico, social, cultural e institucional e respectivas metas, associados à projecção dos recursos financeiros e humanos.
Faremos isso no momento oportuno, mas hoje vamos concentrar a nossa atenção nas matérias que constam da nossa agenda de trabalho.
Aproveito a ocasião para agradecer as manifestações de solidariedade e encorajamento que têm sido realizadas, pela JMPLA e pela OMA, assim como as mensagens de paz e harmonia nacional emanadas das igrejas e dos vários organismos da Sociedade Civil.
A tolerância, a compreensão e o respeito mútuo, o respeito pela diferença e pela ordem pública são elementos essenciais para infundir confiança a todos os cidadãos e no processo eleitoral. O MPLA fará a sua parte para a manutenção desse clima de paz, tolerância, harmonia e confiança.

Declaro aberta a reunião”.

“A prioridade total e absoluta é melhorar a condição de vida dos angolanos”