LUANDA, 11/01/13 - DISCURSO DO VICE-PRESIDENTE DO MPLA, CAMARADA ROBERTO DE ALMEIDA, NA CERIMÓNIA DE APRESENTAÇÃO DE CUMPRIMENTOS DE ANO NOVO DE 2013, PELOS TRABALHADORES DA SEDE NACIONAL DO PARTIDO E DEPENDÊNCIAS

“É PRECISO QUE O MEMBRO DO MPLA SAIBA

O QUE O MPLA QUER CONCRETIZAR NO NOSSO PAÍS”  

 

“CAMARADA PRIMEIRO-SECRETÁRIO DO COMITÉ PROVINCIAL DE LUANDA DO PARTIDO,

CAMARADAS MEMBROS DO COMITÉ CENTRAL,

DIRECTORES DOS DEPARTAMENTOS E GABINETES DO COMITÉ CENTRAL,

CAMARADAS MEMBROS DA COMISSÃO DE DISCIPLINA E AUDITORIA,

CAMARADAS MEMBROS DA DIRECÇÃO DO GRUPO PARLAMENTAR DO MPLA,

CAMARADAS MEMBROS DO SECRETARIADO NACIONAL DA OMA,

CAMARADAS MEMBROS DO SECRETARIADO NACIONAL DA JMPLA,

CAMARADAS CHEFES DE DIVISÃO,

CAMARADAS ASSISTENTES E ANALISTAS DO COMITÉ CENTRAL,

CAMARADAS COLABORADORES,

E CAMARADAS TRABALHADORES, EM GERAL. 

 

É uma satisfação, para mim, poder presidir a esta cerimónia, aqui na Sede do Comité Central, para manifestarmos, em conjunto, a nossa alegria, por termos chegado a mais um ano, depois do cumprimento das tarefas que o nosso que Partido traçou para o ano que terminou.

Quero, em primeiro lugar, agradecer a todos camaradas que endereçaram cartões e mensagens de boas-festas, durante esta quadra festiva e peço perdão, porque, possivelmente, algumas dessas mensagens eu não tive tempo de responder.

De qualquer forma, quero agradecer a todos, em geral e desejar, também, que todos tenham passado esta quadra festiva nas melhores condições possíveis.

Durante o ano que findou, também perdemos alguns colegas de trabalho, alguns camaradas. E para as suas famílias, eu também endereço uma palavra de conforto, tendo em conta que esses camaradas deram uma parte da sua vida, dedicaram uma parte da sua vida para o nosso Partido, o MPLA.

Durante 2012, o nosso Partido foi, mais uma vez, posto à prova, com a realização das Eleições Gerais, que tiveram lugar em 31 de Agosto. E, mais uma vez, a firmeza dos nossos militantes e a convicção de todos aqueles que acreditam num futuro melhor para o nosso país veio ao de cima e conseguimos alcançar uma vitória.

É sempre bom quando alcançamos vitórias em qualquer domínio da vida, seja no campo pessoal, no campo desportivo, no campo familiar, mas essas vitórias devem, sempre, fazer reflectir sobre os passos em que não fomos totalmente vitoriosos.

É preciso reflectir sobre algumas debilidades que vieram ao de cima, durante este pleito eleitoral, para encontrarmos os remédios para endireitar a nossa trajectória, para melhorar a nossa actuação, a nossa actividade, de maneira a continuarmos a trilhar um caminho de esperança, um caminho de certeza para todo povo angolano.

Eu quero agradecer a todos militantes, simpatizantes e amigos, que renovaram a confiança no MPLA, durante estas eleições. Quero estender esse agradecimento a todo povo, em geral, a todos cidadãos eleitores que, mesmo não pertencendo ao MPLA, manifestaram a sua certeza de que, com o MPLA no poder, o povo angolano vai triunfar.

Quero, por isso, agradecer, em nome de todo o Partido, pela manifestação de confiança que nos foi tributada durante estas eleições. E essa manifestação de confiança, essa reafirmação no MPLA pode ter melhores frutos ainda, porque continuamos a contar com a liderança do Camarada Presidente José Eduardo dos Santos, que soube imprimir a dinâmica necessária ao nosso Partido, para que o pleito eleitoral de 2012 fosse vitorioso para o nosso Partido.

 

CAMARADAS,

 

Como disse, esse pleito revelou algumas debilidades, que teremos que corrigir com mais trabalho, durante este ano de 2013.

Dentro em breve, vamos aprovar o Plano Geral de Actividades e a Agenda Política para o ano de 2013, como tem sido habitual. Nesses dois documentos, nós traçaremos as tarefas fundamentais a serem cumpridas pelas estruturas do Partido, a todos níveis, a nível intermédio, a nível superior e a nível de base.

Está concluído o trabalho de renovação das fileiras do MPLA, nas estruturas de base, nos CAP, comités de acção política, onde houve uma participação dos nossos militantes, em relação à renovação das estruturas de direcção desses CAP.

E aqui, também, nós temos que fazer algumas reflexões. O nosso Partido, durante muito tempo, foi um partido de massas, um partido aberto a todos, na base da aceitação do Programa e dos Estatutos do MPLA.

Agora, o MPLA não é só já um Partido de massas. Temos definido o MPLA como um partido de massas e um partido de quadros. Isto quer dizer que já não é só importante, para nós, a quantidade de membros que o MPLA tem. É, também, importante que haja qualidade no seio da quantidade da totalidade dos membros do MPLA.

Então, isto passa pela formação político-ideológica. É preciso que o membro do MPLA saiba o que o MPLA quer concretizar no nosso país, saiba o que conduz, o que que o guia, qual é a linha condutora do MPLA, que deve ser seguida por todos seus membros.

Este é o trabalho que ainda resta fazer, sobretudo neste momento, em que temos um movimento crescente de adesão de novos membros no MPLA. Temos que acompanhar a inserção desses novos membros no MPLA, porque é possível, até, que alguns deles não venham animados de boas intenções. Então, é preciso vigilância, é preciso que os membros acompanhem esses novos membros, para que os possamos conduzir correctamente e para que a sua actividade no seio do MPLA seja positiva.

Este é um trabalho que nenhum CAP, nenhum Comité de Acção Política deve descurar.

Haverá outras tarefas, mas a ênfase políticas neste ano deve ser deve ser a aposta na formação política e ideológica dos membros do MPLA. Isso é muito importante.

 

CAMARADAS, 

 

Outras tarefas, parecendo insignificantes, são muito importantes para o nosso Partido.

Não se pode aceitar, por exemplo, que, em pleno Século 21, ainda haja membros do MPLA analfabetos.

Temos que combater o analfabetismo. Para além deste combate estender-se a toda sociedade, o MPLA, também, tem a sua obrigação de, nas suas fileiras, organizadamente, conduzir campanhas de alfabetização, para que não haja nenhum membro do MPLA iletrado, para que todos tenham a capacidade de ler e acompanhar a actividade do nosso Partido.

Essas são algumas orientações do nosso combate este ano. Há orientações de carácter económico, que deverão ser implementadas pelo Executivo, no corrente ano.

Aí, também, o acompanhamento do Partido é fundamental, para que essas medidas resultem, efectivamente, em benefícios de carácter social para todo o povo angolano. E, nesse quadro continuaremos a batalhar para que os trabalhadores do Partido, aos vários níveis, possam, também, ser inseridos nos programas sociais e que possam, igualmente, usufruir dos benefícios provenientes da execução desses programas.

 

CAMARADAS,

 

Eu não quero ser muito longo. Vamos terminar. Quero desejar, a todos, boa saúde, bom trabalho em 2013 e que, no final deste ano, possamos dizer que cumprimos plenamente as orientações do nosso Partido e do Camarada Presidente José Eduardo dos Santos.

A luta continua,

A vitória é certa”.