“Para continuarmos a ser Governo, temos de trabalhar para vencer as próximas eleições”

- LUANDA, 17.07.12: DISCURSO DO CAMARADA JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, NO ACTO CENTRAL DE APRESENTAÇÃO DO MANIFESTO ELEITORAL E DO PROGRAMA DE GOVERNO DO MPLA PARA O PERÍODO 2012 – 2017 -

“Para continuarmos a ser Governo, temos de trabalhar para vencer as próximas eleições”

“Camarada vice-presidente do MPLA,
Camarada secretário-geral,
Camaradas,
Ilustres convidados,
Caros compatriotas,
Minhas senhoras e meus senhores!

Estamos hoje aqui reunidos para cumprir mais uma importante etapa no caminho para as Eleições Gerais do próximo dia 31 de Agosto.
Trata-se da apresentação pública do Manifesto Eleitoral e do Programa de Governo do MPLA para o período 2012-2017.
As linhas gerais desses dois documentos são conhecidas, porque se inspiram na Estratégia Geral de Longo Prazo, que o nosso Partido já definiu até 2025.
Para os que pensam que o MPLA é demasiado optimista, em traçar metas para um horizonte aparentemente tão distante, é bom recordar que só com metas bem definidas e ideias claras, sobre o que pretendemos alcançar no futuro, é possível definir, na prática, o rumo imediato das nossas acções.
Que o país tem um rumo, penso que, hoje, já ninguém duvida.
Angola está a erguer-se graças ao trabalho e ao sacrifício dos seus filhos, melhorando os seus índices de crescimento e desenvolvimento, porque sabe onde está e para onde vai.
Não há ninguém que ignore o grande compromisso do MPLA, no sentido de realizar as aspirações do povo angolano e de resolver os mais candentes problemas com que ele ainda se defronta.
Ao apresentar as nossas intenções, estamos aqui, também, para reafirmar que o MPLA está organizado, determinado e pronto para enfrentar os desafios da próxima etapa.
Em síntese, o que está em questão é, ao mesmo tempo, simples e ambicioso. Trata-se, no fundo, de:
- Consolidar a paz, reforçar a democracia e preservar a unidade e coesão nacional;
- Garantir os pressupostos básicos necessários ao desenvolvimento;
- Melhorar a qualidade de vida dos angolanos;
- Elevar a inserção da juventude na vida activa;
- Apoiar o empresariado nacional;
- Reforçar a inserção competitiva de Angola no contexto internacional.
Para tal, é indispensável a participação de todos dos cidadãos, seja qual for a sua inclinação ideológica ou de qualquer outra natureza.
A Pátria angolana é uma só e o MPLA considera que todos os seus filhos devem ter lugar, com igualdade de oportunidades e de benefícios.
Os dois documentos que vamos hoje apresentar constituem as bases fundamentais da nossa estratégia de governação para os próximos cinco anos.
Mas, para continuarmos a ser Governo, temos de trabalhar para vencer as próximas eleições.
Esta é a mensagem que os militantes, simpatizantes e amigos do MPLA têm de levar a todos os municípios, comunas, aldeias e povoações do nosso país, para que os eleitores afectos ao nosso Partido não faltem e cumpram com o seu dever de votar.
Quer o Programa Eleitoral, quer o Programa de Governo para 2012-2017 espelham bem a nossa preocupação de dirigir, daqui para frente, os nossos esforços, no sentido de uma melhor distribuição da riqueza nacional, como garante da estabilidade politica e da paz social.
Como afirmei na última reunião do Comité Central do MPLA, chegou a hora de crescer mais e distribuir melhor, a hora de sermos uma Angola forte e justa e de sermos, cada vez mais, livres e felizes.
Esta intenção inscreve-se no ideário do MPLA desde a sua criação.
Na nossa agenda constará, sempre como prioridade, combater a fome, a pobreza, a doença, o analfabetismo, a ignorância, o preconceito e todas as formas de descriminação social e elevar o nível cultural e educacional do nosso povo.
O combate à violência doméstica e a descriminação contra a mulher, assim como a sua contínua promoção social e política e a protecção da família fazem parte deste conjunto de prioridades.
Enquanto este ideal não for concretizado, não ficaremos satisfeitos.
Só transformando em realidade o ideário do MPLA poderemos continuar a merecer a confiança e o apoio do povo angolano que, ao longo dos 55 anos de existência da nossa organização, sempre acreditou em nós.
O MPLA é uma emanação do povo e trabalha para o povo!
A que manter sempre este traço de união, que é o segredo da nossa força!
Este é mais um momento decisivo da vida do nosso Partido. É um momento que exige a unidade das nossas fileiras, disciplina e trabalho militante.
É, também, um momento que requer a participação de todos os que se sentem identificados com os ideais do MPLA.
Só unidos, seremos capazes de mobilizar para a nossa causa todos aqueles que têm consciência do importante papel que o MPLA desempenha na edificação da Nação angolana e na salvaguarda dos seus princípios e valores fundamentais.
Assim, eles poderão dar o seu contributo para a grande vitória que pretendemos alcançar no próximo dia 31 de Agosto.
Faço votos para que o nosso processo eleitoral continue a decorrer num clima de tolerância, compreensão e respeito pela diferença.
Que todos os partidos e coligações de partidos, que mereceram a aprovação do Tribunal Constitucional, possam desenvolver a sua campanha e expor os seus programas e pontos de vista dentro do maior civismo e nos marcos da lei, sem entrar no insulto, na ofensa e humilhação gratuita, para que os eleitores possam fazer uma escolha livre e consciente.
Com esta apresentação pública do seu Programa Eleitoral e do seu Programa de Governo para 2012-2017, o MPLA assume o compromisso de materializar todos os objectivos que nele constam, a bem do progresso, bem-estar e desenvolvimento do povo angolano.
A luta continua!
A vitória é certa!”.