O Presidente

O Presidente

O Presidente do MPLA é o órgão singular que dirige, coordena e assegura a orientação política do Partido, garante o funcionamento harmonioso dos seus órgãos e organismos e representa-o perante os órgãos públicos, partidos políticos, organizações e a nível internacional.

O actual Presidente do MPLA é o Camarada João Manuel Gonçalves Lourenço, mais conhecido por JOÃO LOURENÇO, que nasceu aos 05 de Março de 1954, na cidade do Lobito, província de Benguela, litoral-centro de Angola.

É filho de Sequeira João Lourenço, enfermeiro, natural de Malanje, norte do País e de Josefa Gonçalves Cipriano Lourenço, costureira, natural do Namibe, litoral-sul, ambos já falecidos.

Fez os seus estudos primários e secundários na província do Bié, centro de Angola, onde o seu pai encontrava-se na situação de residência vigiada, por 10 anos, após ter estado, de 1958 a 1960, na prisão de São Paulo, em Luanda, litoral-centro, pelo exercício de actividade política clandestina, enquanto enfermeiro do Porto do Lobito.

Deu continuidade aos seus estudos em Luanda, na então Escola Industrial e no Instituto Industrial.

Após a queda do regime colonial-fascista em Portugal, então potência colonizadora de Angola, em 25 de Abril de 1974, juntou-se, na República do Congo-Brazzaville, em Agosto do mesmo ano, à Luta Armada de Libertação Nacional, que o MPLA vinha desenvolvendo desde 1961, tendo feito a sua primeira instrução político-militar no Centro de Instrução Revolucionária (CIR) Kalunga.

Integrou o primeiro grupo de combatentes do MPLA, que entraram em território nacional, via Miconje, em direcção à cidade de Cabinda, litoral-norte de Angola, após a queda do regime colonial português.

Em vésperas da proclamação da Independência Nacional de Angola, em 11 de Novembro de 1975, participou em combates, na fronteira do N’tó/Yema, em Cabinda, contra a coligação exército zairense/FNLA, culminando com a derrota dessas forças, que pretendiam ocupar o território dessa província angolana.

Durante a sua participação na luta de libertação e logo após a proclamação da Independência Nacional, fez formação em Artilharia Pesada, exerceu funções de comissário político, em diversos escalões (Pelotão, Companhia, Batalhão e Brigada) e de comissário político da 2ª Região Político-Militar, em Cabinda, nos anos 1977 e 1978.

Na sequência do esforço de qualificação das Forças Armadas Populares de Libertação de Angola (FAPLA), permaneceu, de 1978 a 1982, na então União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), onde, para além da formação militar, alcançou o título de mestre em Ciências Históricas, obtido na Academia Político-Militar V. I. Lénine.

De 1982 a 1983, participou em operações militares no centro do País, com o Posto de Comando no Huambo.

De 1983 a 1986, foi designado, pelo então Presidente da República de Angola e Comandante-em-Chefe das Forças Armadas, Camarada José Eduardo dos Santos, para desempenhar as funções de comissário provincial (governador) do Moxico, leste do País e o de presidente do Conselho Militar Regional da 3ª Região Político-Militar.

De 1986 a 1989, por decisão do então Presidente do MPLA e da República de Angola, foi designado para desempenhar as funções primeiro-secretário do Comité Provincial do Partido e a comissário provincial de Benguela.

De 1989 a 1990, desempenhou as funções de chefe da Direcção Política Nacional das FAPLA, ascendendo ao seu generalato.

De 1991 a 1998, exerceu o cargo de secretário do Bureau Político do MPLA para a Informação e, cumulativamente, por um curto período de tempo, o de secretário do BP para a Esfera Económica e Social, tendo assumido, igualmente, o de presidente do Grupo Parlamentar do Partido.

Na sequência do 4.º Congresso Ordinário do MPLA, realizado de cinco a 10 de Dezembro de 1998, foi eleito, pelo Comité Central, ao cargo de secretário-geral do Partido, que exerceu de 1998 a 2003, desempenhando, nesse período, a função de presidente da Comissão Constitucional da Assembleia Nacional.

De 2003 a Abril de 2014, desempenhou as funções de 1.º vice-presidente da Assembleia Nacional.

General na Reforma, foi designado, por Decreto Presidencial, ministro da Defesa Nacional, em Abril de 2014.

Na sequência do 7.º Congresso Ordinário do MPLA, de 17 a 20 de Agosto de 2016, foi eleito, pelo Comité Central, ao cargo de vice-presidente do Partido.

No 6.º Congresso Extraordinário, em oito de Setembro de 2018, o Camarada JOÃO LOURENÇO foi eleito Presidente do MPLA, com 98,59 por cento dos votos válidos. Dos dois mil e 342 votos válidos, obteve dois mil e 309 a favor, 27 contra e seis abstenções, tendo a Comissão Eleitoral do Congresso considerado a eleição, por sufrágio secreto, de livre, transparente e justa.

Casado com Ana Afonso Dias Lourenço e pai de seis filhos, o Camarada JOÃO LOURENÇO é o quinto Presidente do MPLA, desde a sua fundação, em 1956, depois dos camaradas Ilídio Machado, Mário Pinto de Andrade, Agostinho Neto e José Eduardo dos Santos, pela ordem.